Pular para o conteúdo principal

Disco de freio gasto nos raios pode acontecer em bicicleta nova

Autor:
Se você pesquisa na net, descobre que a duração média do disco de freio hidráulico é 10.000 km. Levando-se em conta que a duração média da corrente é 5.000 km, troca-se o disco a cada 2 trocas de corrente.

No meu caso isto não ocorreu. Após 5 mil km, fui obrigado a trocar os 2 rotores da minha Specialized Epic Hardtail alumínio justamente porque o disco que veio na bike não é compatível com as pastilhas do caliper BR-M447.

Pelo desenho do disco que veio na minha Epic, o SM RT-66 vê-se que ele é mais estreito no sentido longitudinal:

A página da Shimano especifica que este o rotor SM RT-66 deve ser usado com o caliper SLX, sendo que este caliper usa a pastilha D01s, mais estreita na largura e mais comprida no sentido ao longo do disco, conforme a imagem:

Sem saber disso, acabei decidindo comprar o SM RT-56, que é especificado para o caliper Shimano Alivio:

O caliper BR-M447 É Alivio, portanto, trabalha com as pastilhas B01s, que custam menos da metade das pastilhas SLX/Deore:

O desgaste ocorrido nos discos de freio da minha bicicleta foi em virtude da abrasão do disco contra os raios(que possuem pouco material), ou seja, apesar da superfície de abrasão estar razoável, não foi possível continuar usando-os por causa do estreitamente excessivo dos raios (certa de 0,5 mm), fato que poderia provocar uma quebra e um acidente do tipo trancamento repentino da roda da bicicleta em alta velocidade.

O irônico disso tudo é que a Specialized utilizou discos errados SLX que têm o dobro do preço dos discos Alivio. Na realidade, a frenagem utilizando pastilhas de menor área em discos estreitos é menos efetiva. Agora que troque pelos discos Alivio, senti aumentar a capacidade de frenagem, assim como espero que a duração das pastilhas seja maior, doravante.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Por que troquei a bateria de lítio por uma de chumbo-ácido na bike elétrica?

Autor:
Aparentemente seja um contrassenso, talvez por isso não se vê na internet tutoriais para fazer a migração reversa, ou seja, sair das tão propaladas baterias de lítio e adotar as humildes e prosaicas baterias de ácido-chumbo. Tomei esta decisão depois de termos usado tão somente 5 meses um kit elétrico que veio com motor de 350 w e bateria de 36 v 10 ah.

Depois que a bateria começou a se desligar nas subidas um pouco mais íngremes, resolvi tirar o pack do chassis de alumínio e verifiquei que as células eram de 2,2 ah. Como o pack era formado de conjuntos de 4 células em paralelo num total de 10, depreende-se que a corrente total era tão somente de 8,8 ah, isso se tudo estivesse funcionando perfeitamente.

Ao longo dos percursos, constatamos que o melhor rendimento do motor era bom durante os primeiros 10 km, usando tão somente pedal assistido. Depois, caia consideravelmente.

Como moramos numa região serrana, certamente uma bateria com menor capacidade nominal do que …

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…