Pular para o conteúdo principal

Fazer ou não fazer a revisão de 50 horas na suspensão?

Autor:

Calculei as minhas horas depois de quase 2 meses de uso da bike nova e deu aproximadamente 80 horas. Tempo mais do que suficiente para enfrentar a 1ª revisão da suspa.

Acompanhei o trabalho do mecânico e conclui que se tivesse feito a revisão antes, teria sido melhor. A razão me foi explicada de maneira simples; as fábricas tendem a colocar menos óleo e graxa nas suas suspensões, para fins de barateamento e diminuição de peso.

A quantidade de óleo que saiu foi bem pequena e a graxa presente nos retentores e outras peças superiores era reduzida. Ainda bem que a minha suspensão Rockshox Reba não estava seca, como o mecânico me disse que já viu.

Então, aqui vai um conselho, se você nunca a revisou a sua suspa, é bom se adiantar, pois a esperar até estragar pode sair bem caro.

NOTA: um detalhe que nos chamou a atenção foi a presença de graxa azul de baixo custo nos rolamentos da caixa de direção. Mesmo sendo uma bike nova, na montagem o mecânico da loja empregou uma graxa dessas que se compra em lojas agrícolas. Naturalmente, a ação de limpar toda a graxa azul dos rolamentos e anéis do movimento de direção tomou mais tempo do que a manutenção dos amortecedores propriamente ditos.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…