Pular para o conteúdo principal

Como calcular ângulos de ladeiras “insubíveis” usando o Google Street View?

Autor:
Quem de nós ciclistas não viaja um pouco no Street View na hora de planejar as nossas rotas? Pois bem, no olhômetro facilmente cometemos erros que depois nos provocam arrependimento do tipo viajei no Google é me ralei!

Uma das maneiras de se calcular a altimetria é através de percentual, obtendo-se a hipotenusa entre a altitude (ponto mais baixo e ponto mais alto) e a distância percorrida.
Este site fornece instruções para calcular o ângulo por percentual: http://www.praquempedala.com.br/blog/subida-com-inclinacao-de-10-15-5-voce-sabe-o-que-quer-dizer-isso/

Acho medidas de inclinações por percentuais um tanto confusas. O melhor mesmo é calcular o ângulo puro, porque aí é bate levou! Não dá margem a interpretações.

Leia este artigo que dá dicas para se calcular o ângulo de inclinação de uma rua e aprenda que se 10 graus é uma coisa absurda, 16 graus é algo do inferno! https://www.if.ufrgs.br/~lang/Textos/Ruas_estradas.pdf

Como a minha cidade é um conjunto de abismos e cumes, calcular o ângulo pode ser a diferença entre subir pedalando ou se esgoelando para carregar bike!

Se a rua em questão está no Street View, faça uma captura de tela de uma calçada ou muro, para você visualizar a linha de inclinação em relação a uma linha base. Veja a rua Pinto Bandeira, aqui de Bento Gonçalves-RS, em que faço justamente isso. Aqui está o link do Street View se você quiser conferir:
https://www.google.com.br/maps/@-29.1797038,-51.5058769,3a,75y,190.44h,87.23t/data=!3m6!1e1!3m4!1sBa3pQWepigO1ysLhP93gyA!2e0!7i13312!8i6656?hl=pt-BR

O próximo passo é arranjar um transferidor em formato PNG que tenha fundo transparente. Para você não quebrar a cabeça, aqui vai um: http://vignette4.wikia.nocookie.net/battle-for-escape/images/6/65/Protractor.png/revision/latest?cb=20150829212647

A seguir você cola na imagem da foto a imagem do transferidor e coloque na posição exata do ângulo que quer medir. Depois é só traçar uma linha reta do meio do transferidor até a escala para ver no que dá. Neste caso, deu exatamente 15 graus, o que é uma tremenda inclinação!
Para o conforto das nossas pobres pernas, a humanamente aceitável inclinação seria de no máximo uns 7 graus. Veja no artigo acima que uma estrada com inclinação insana de 10 graus (trecho da serra do Rio do Rastro-SC) já deve possuir todo um sistema antiderrapante para os carros não patinarem.

Para você ter uma ideia do que estamos falando, o artigo cita a Baldwin Street, aquela que é considerada a rua mais inclinada do mundo, com 19 graus, localizada na Nova Zelândia. Logo, aqui na minha cidade não estamos muito longe da rua mais íngreme do mundo, ou até posso dizer que em alguns trechos igualamos e, quiçá, superamos a tão famosa Baldwin!

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…