Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

Descrição magnífica de um pedal mágico

Autor:

Lamentem os ciclistas que moram nas planícies, pois as zonas serranas nos dão muito maior prazer do que pedalar apenas contra o relógio!

Minha companheira de pedal, que por acaso é minha esposa, descreve um dos nossos roteiros preferidos em meio à luxuriante vegetação subtropical que caracteriza a nossa região.
Fique com o seu relato que vale a pena!
http://www.teliga.net/2017/03/quem-tem-bike-vai-roma-nova.html

Por que a suspenção “perneta” Cannondale Lefty não virou padrão até hoje?

Autor:

Sem dúvida é uma tecnologia formidável que, no entanto, mais de uma década após o seu surgimento, continua sendo adotada apenas por uma marca de bicicleta, apesar da Fox e a Rock Shox já terem fabricado neste período partes, ou toda a suspa sob encomenda da Cannondale. Aí nos perguntamos, que fatores estarão por trás da rejeição de uma tecnologia que se revelaria matadora no universo Mountain Bike?

Na qualidade de usuários, temos que nos fazer tais perguntas e pesquisar a fundo os motivos de tal exclusividade tão continuada. Para fins de reflexão, elenco alguns contratempos enfrentados pelos proprietários de Lefty que podem nos ajudar a entender se temos ou não estofo para suportá-los.

Para retirar a roda você tem que desparafusar o caliper do freio: apesar da facilidade de se poder trocar o pneu sem a remoção da roda, para tirar a roda é necessário desparafusar um dos parafusos  do caliper do freio e afrouxar o outro.

Problemas presentes nos modelos anteriores a 201…

Linha de qualidade de Grupos Shimano e Sram

Autor:
A imagem abaixo mostra em linha a sequência em ordem crescente dos grupos dos 2 maiores fabricantes de componentes. Do mais simples, barato, pesado e tosco, ao mais sofisticado, caro, leve e preciso.

As coisas começam a melhorar bastante a partir do X5, assumem ares de seriedade no Deore e daí para cima se profissionalizam. Mas isto não quer dizer que você não tenha o direito de usufruir de um grupo compartilhado por campeões.

A escolha da bicicleta ideal depende da sua frequência, engajamento e expectativas na atividade do ciclismo. Conheço gente com um tremendo carro na garagem que se arrasta nos pedais com uma bike mequetrefe, o que prova em última análise que tudo é uma questão de prioridades de vida.


Como calcular ângulos de ladeiras “insubíveis” usando o Google Street View?

Autor:
Quem de nós ciclistas não viaja um pouco no Street View na hora de planejar as nossas rotas? Pois bem, no olhômetro facilmente cometemos erros que depois nos provocam arrependimento do tipo viajei no Google é me ralei!

Uma das maneiras de se calcular a altimetria é através de percentual, obtendo-se a hipotenusa entre a altitude (ponto mais baixo e ponto mais alto) e a distância percorrida.
Este site fornece instruções para calcular o ângulo por percentual: http://www.praquempedala.com.br/blog/subida-com-inclinacao-de-10-15-5-voce-sabe-o-que-quer-dizer-isso/

Acho medidas de inclinações por percentuais um tanto confusas. O melhor mesmo é calcular o ângulo puro, porque aí é bate levou! Não dá margem a interpretações.

Leia este artigo que dá dicas para se calcular o ângulo de inclinação de uma rua e aprenda que se 10 graus é uma coisa absurda, 16 graus é algo do inferno! https://www.if.ufrgs.br/~lang/Textos/Ruas_estradas.pdf

Como a minha cidade é um conjunto de abismos…

Cubos rolamentados ou com esferas soltas, qual é o melhor?

Autor:
Essa questão dificilmente pode ser definida de maneira simples, pois se afirmarmos que as bicicletas mais sofisticadas vêm com rolamentos e as mais baratas vêm com cubos de esferas soltas, somente estaremos focando uma parte da verdade.

A verdade é que também pode haver bicicletas simples equipadas com rolamentos selados e sofisticadas equipadas com esferas soltas (a marca Shimano não trabalha com rolamentos selados). O que se lê nos fóruns é muita gente reclamando de rolamentos xing-ling que fazem barulho, não rodam bem e trancam em pouco tempo. Contudo, há outros usuários que decantam em prosa e verso as virtudes dos seus cubos de esferas e não adotam de jeito nenhum os rolamentados.

Por conta da tremenda confusão reinante nesse assunto, que embaralha a cabeça dos iniciantes, coloco aqui a minha experiência, já que tive duas bicicletas, uma boa e a atual excelente, a primeira com esferas e a atual com rolamentos selados.

Experiências com esferas soltas / cones:
- …

Fazer ou não fazer a revisão de 50 horas na suspensão?

Autor:

Calculei as minhas horas depois de quase 2 meses de uso da bike nova e deu aproximadamente 80 horas. Tempo mais do que suficiente para enfrentar a 1ª revisão da suspa.

Acompanhei o trabalho do mecânico e conclui que se tivesse feito a revisão antes, teria sido melhor. A razão me foi explicada de maneira simples; as fábricas tendem a colocar menos óleo e graxa nas suas suspensões, para fins de barateamento e diminuição de peso.

A quantidade de óleo que saiu foi bem pequena e a graxa presente nos retentores e outras peças superiores era reduzida. Ainda bem que a minha suspensão Rockshox Reba não estava seca, como o mecânico me disse que já viu.

Então, aqui vai um conselho, se você nunca a revisou a sua suspa, é bom se adiantar, pois a esperar até estragar pode sair bem caro.

NOTA: um detalhe que nos chamou a atenção foi a presença de graxa azul de baixo custo nos rolamentos da caixa de direção. Mesmo sendo uma bike nova, na montagem o mecânico da loja empregou uma gr…