Pular para o conteúdo principal

Por que troquei a bateria de lítio por uma de chumbo-ácido na bike elétrica?

Autor:
Aparentemente seja um contrassenso, talvez por isso não se vê na internet tutoriais para fazer a migração reversa, ou seja, sair das tão propaladas baterias de lítio e adotar as humildes e prosaicas baterias de ácido-chumbo. Tomei esta decisão depois de termos usado tão somente 5 meses um kit elétrico que veio com motor de 350 w e bateria de 36 v 10 ah.

Depois que a bateria começou a se desligar nas subidas um pouco mais íngremes, resolvi tirar o pack do chassis de alumínio e verifiquei que as células eram de 2,2 ah. Como o pack era formado de conjuntos de 4 células em paralelo num total de 10, depreende-se que a corrente total era tão somente de 8,8 ah, isso se tudo estivesse funcionando perfeitamente.

Ao longo dos percursos, constatamos que o melhor rendimento do motor era bom durante os primeiros 10 km, usando tão somente pedal assistido. Depois, caia consideravelmente.

Como moramos numa região serrana, certamente uma bateria com menor capacidade nominal do que o motor iria fatalmente abrir o bico. Talvez pelo fato do usuário médio realizar percursos planos, os kits chineses não contemplem baterias indicadas para o esforço máximo do motor.

Ressalto abaixo alguns pontos que me chamaram a atenção no processo de troca de baterias. Optei em comprar um pack de 3 baterias de chumbo-ácido ciclo profundo da Machine Motors. Elas são de 12 V 14 ah e como este pack atende scooters com motores de 1000 w, achei bem confiável emprega-lo num motor de 350 w. O site alega que o scooter de 1000 w tem autonomia de 2 horas. Acredito que num motor de 350 w, a autonomia aumente.

- cuidado com as baterias supostamente de 10 amperes/hora, que na verdade são de 8,8 ah;

- a maioria dos packs de baterias vendidos na internet são feitos de células resultantes do desmonte de outros packs;

- as baterias de lítio propagandeadas com a vantagem de possuírem “células Samsung”, podem não ter nada disso. São compostas de células genéricas de baixa qualidade, é só tirar os parafusos e abrir o container de alumínio para constatar;

- as placas eletrônicas controladores (BMS), que todo o pack de baterias de lítio deve ou deveria ter para proteger as células contra o superaquecimento, comumente são muito vagabundas e não possuem a função de balanceamento. Balancear significa a capacidade do controlador eletrônico de fornecer mais energia para as células fracas e menos para as células fortes no momento do carregamento. Tal função se justifica porque em um pack de 40, 50 ou até 70 células, é praticamente impossível não haver discrepâncias no desempenho entre as diversas unidades;

- a questão do baixo peso é muito relativa: originalmente, no nosso kit veio uma bateria de lítio de 36 Volts 8,8 ah com o peso de 3 kg. Ora, se tal bateria cilíndrica fosse substituída por um pack de 36 Volts 14 ah constituído de 70 células, o peso subiria para cerca de 8 kg (somente o pack, sem contar o chassis). Sabendo-se que um conjunto de 3 baterias de chumbo-ácido de 12 v 14 ah pesa 12,6 kg, vemos que uma bateria de lítio de boa potência não está tão longe assim do alegado sobrepeso das chumbo-ácido. O problema é que o mercado, na ânsia para reduzir o peso e o preço final (uma vez que uma bateria de lítio de maior potência custa cerca de 2 mil reais), oferece baterias subdimensionadas para os motores dos seus kits elétricos.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…