Pular para o conteúdo principal

Primeiras impressões sobre a Specialized Epic Hardtail

Autor:
Devido à conformação extremamente acidentada do relevo da minha região, desde que me vi por gente no mundo do ciclismo, descobri que a minha modalidade só podia ser Mountain Bike e dentre dela, tinha que ser Cross Country, ou seja, uma bike muito ágil para as subidas, sem dar grande importância ao incremento de velocidade em descidas e planos.

A minha 1ª bike comecei comprando errado, devido à ignorância, pois saí da loja pilotando uma “flamejante” Caloi T-Type. Cerca de um mês depois e com a certeza de que ia acabar quebrando o quadro da T-Type, parti para a GT Zaskar Sport 27.5. Aí a veia do Cross Country começou a bombar!

Nos 6 meses em que pedalei com a Zaskar, houve muito aprendizado e algumas decepções, principalmente por conta de alguns componentes sofríveis que a GT destinou a um modelo de 5 mil reais, tipo, blocagens de qualidade inferior, cubos de esferas soltas bem ruinzinhos, cabos parcialmente desencapados (coisa que se pode admitir numa Caloi de supermercado, mas nunca numa marca top), freios Acera, sendo que o grupo é Deore, etc. Além disso, a Zaskar é famosa por ser um “cabrito”, por culpa da suspensão e da rigidez do quadro.

Nota: quando você opta pela classe XC, passa a abominar a coisa de câmbio dianteiro de 3 coroas, é uma libertação conviver com um sistema de troca de marchas mais simples!

Pois bem, aí me surgiu uma bela proposta de trocar a bike pela Epic e resolvi fazer o negócio antes que a Zaskar desvalorizasse demais e se transformasse num casamento. Meu 1º pedal foi de 100 Km, portanto, já consigo passar uma ideia geral:

- a primeira impressão quando você pega uma Epic é de que ela é descarnada. Não tem mostradores de marchas, o quadro é minimalista, não tem aquele plástico protetor entre o cassete e os raios, não tem acionamento do lock da suspa na direção, etc;

- porém, o descarnamento vem pra bem, pois se os projetistas tiraram tudo que é enfeite e supérfluo, deixaram o essencial para pedaladas vigorosas;

- você não sente falta do acionamento da trava de suspensão no guidão, pois é extremamente fácil comutar na chave do amortecedor;

- aliás, o Rock Shox Reba faz uma bela leitura do terreno;

- os câmbios traseiro Shimano XT e dianteiro SLX são um relógio, você troca as marchas sem ouvir qualquer ruído;

- graças aos cubos rolamentados, a bicicleta desliza barbaramente, inclusive para cima nas subidas leves, quase desafiando as leis da física. (aos que possuem cubo de esferas soltas, digo que isso e um outro mundo, pois você não experimenta mais aquelas oscilações sinistras da roda dianteira nas curvas, nem quando está tracionando no guidão);

- a propulsão resultante das rodas 29” é inacreditável! Eu era devoto das rodas 27.5, mas abandonei a religião;

- graças à geometria absurda da Epic (uma filha da família S-Works), você não cansa as costas, pernas, ombros, pois fornece um conforto excepcional, mesmo que o desenho seja voltado para a competição;

- se você tem alguma ambição performática nas descidas e plano, não será com a coroa maior de 34 dentes que conseguirá alguma;

- os 11 pinhões traseiros são impressionantes para a tração. O maior, com seus 42 dentes, combinado com a cora de 24 dentes faz você subir paredes!

- aconselho esta bike para os obesos, viciados em carro, habitantes de sofá, comedores de fast-food/tomadores de refrigerante, sedentários convictos e toda essa galera da contramão do saudável, porque é uma bicicleta que não te exige o mínimo esforço.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

Como regular o câmbio dianteiro Shimano?

Autor:

Desde que comprei a Mountain Bike há 2 meses venho enfrentando alguns probleminhas com a regulagem do freio dianteiro. São duas queixas: eventualmente a corrente caia fora e a corrente raspava em um dos limites. Primeiramente a coroa saltava fora na coroa menor. Depois de nova regulagem na loja, a corrente ficou mais instável na coroa maior.

Ora, se o câmbio dianteiro é o Shimano Deore FD-616, não deveria haver problemas, não é mesmo? Entretanto, mesmo depois da revisão dos 100 km os problemas persistiam.

Então resolvi por mim mesmo regular a coisa. Obviamente, a primeira intervenção não serviu para nada, pois mexi no parafuso mais alto, e na realidade só baguncei o limite da corrente na coroa pequena. Aí resolvi pesquisar pra valer na net! Logo me deparei com o vídeo abaixo que é perfeito para a regulagem de TODOS os câmbios dianteiros Shimano. É bom dar uma olhada nas explicações por escrito: How to Adjust Shimano Mechanical Road Front Derailleurs


O resumo da ó…