Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

Diários de Bici: A Árvore do Conhecimento

Autor:
Há menos de um mês pedalando na bicicleta nova, tenho notado um intermitente desajuste do freio dianteiro. Ora a corrente caindo para dentro, ora para fora, ora a corrente fazendo barulho de raspar no trocador em ambas extremidades das marchas.

A coisa foi num crescendo até culminar no último pedal quando se tornou impossível fazer a regulagem. Ademais, começou a fazer um barulho estranho de nhéc, nhéc (parecia um grilo) enquanto eu pedalava. Na penúltima parada para regular, pedi que a mulher me ajudasse a tocar o pedal com a mão enquanto eu trocava as coroas. Aí perguntei o que era aquele tranquinho que eu estava ouvindo. Como ela não percebia, girei o pedivela com a mão, só que no lado oposto, de onde eu estava, aí não deu o tranquinho.

Na próxima parada, em baixo de uma árvore, que denominamos depois como a “árvore do conhecimento”, finalmente consegui perceber o que estava acontecendo. O pedivela direito estava bamboleando completamente frouxo por causa do pa…

Como regular a tensão do cabo dos câmbios traseiro e dianteiro?

Autor:
O principiante se confunde muitas vezes com os parafusos de limites (H e L) e a tensão do cabo. Se a tensão do cabo está desregulada, um dos parafusos (ou os dois) poderá não estar atuando de forma alguma.

No caso do câmbio traseiro, se o cabo estiver com tensão forte demais, as marchas tenderão a subir com grande facilidade (pular das engrenagens menores para as maiores) e a descer com dificuldade. O contrário é verdadeiro, se a tensão está fraca, as marchas tendem a descer num soco e sobem arranhando, ou algumas não sobem.

Pela minha experiência e preferência, gosto da tensão dos cabos a mais folgada possível, pois a sobre tensão, além de não facilitar a subida das marchas, dificulta a descida.

Como regular a tensão do cabo do câmbio traseiro no ajuste fino?
É simples. Digamos que a tesão já esteja boa na ponta lá em baixo. Então, você posiciona a marcha traseira na menor engrenagem. Esta é a posição de menor tensão.
Agora, gire o controle de ajuste fino lá no t…

Dicas práticas para regular a suspensão da bike

Autor:
Digamos que você encontra por aí explicações detalhadas sobre rebound, SAG, preload, trava e outros bichos de 7 cabeças referentes a esse componente mais valioso da bicicleta, porém, vou me limitar aqui a falar sobre o básico.

Primeiramente você tem que definir as suas reais necessidades. Suponhamos que o seu uso é leve, estradas de chão, paralelepípedos, topa com costelas de vaca, etc. Ou seja, seus obstáculos mais frequentes são do tipo pequeno, numeroso e insidioso.

Então aqui vão algumas dicas que estão servindo muito bem para mim, inclusive, eliminaram os sintomas de dormência nas mãos e braços.

- se você tem suspensão a ar (graças à Deus!), esqueça aquela tabelinha de calibragem impressa na suspa. Faça a calibragem obedecendo exclusivamente ao SAG, ou seja, quando você está posicionado na bike, todo equipado, a suspensão deve subir uns 20%. Observe as canelas da suspa depois de voltar da pedalada para ver o quanto ela está atuando (a sujeira depositada na área e…

É impressionante como a Suntour é porcaria!

Autor:
A minha esposa comprou uma Specialized Jynx que veio com uma suspa SR Suntour XCM supostamente customizada pela Specialized sob o chavão pomposo “multi-circuit damping”, que na prática não é nada ou no máximo é uma bosta.

Explico: o preload desta suspensão é praticamente inútil, até a Caloi Wild 24, equipada com uma simples suspensão RST Capa, tem um ajuste de preload mais efetivo. Como a minha mulher tem peso baixo, tentei atuar o máximo para “-“ a droga do knob de preload, com pouco resultado na tensão da mola. Então quando apelei para um alicate, aí tive um relativo sucesso, naturalmente, não sei se ao custo de detonar o knob vagabundo de plástico, como o da foto acima e que está linkada abaixo do texto.

Outra droga dessa suspensão é o controle de travamento. Por causa da imprecisão de ter de girar várias vezes até obter o clique efetivo de travar/desbloquear, minha mulher já caiu da bicicleta na tentativa de fazer a operação enquanto pedalava.

Sobre o funciona…

O perigo de se carregar objetos contundentes na mochila da bike

Autor:

Como ninguém está livre de quedas, devemos pensar muito bem no que estamos carregando na nossa mochila, pois ela pode vir a se transformar num travesseiro ou numa cama de pregos em um eventual acidente.

Veja essa notícia:
Acidente - Bomba de suspensão em mochila de hidratação causa fratura de coluna
https://www.pedal.com.br/acidente-bomba-de-suspensao-em-mochila-de-hidratacao-causa-fratura-de-coluna_texto9255.html

Suspensão endurece e enferruja se não for limpa e lubrificada após cada pedal

Autor:

Uma reclamação comum dos pilotos [porcos] é sobre as suas suspensões, que terminam endurecidas depois de deixadas semanas com lama, pó, ou qualquer tipo de sujeira que nos ataca nas estradas e trilhas.

A simples medida de limpar as bengalas/canelas com um papel higiênico macio embebido em óleo de ótima qualidade (ex: Flashline verde, de lubrificar corrente) faz com que a sujeira acumulada no retentor seja liberada. O óleo faz isso se você depois de limpar a bengala, fizer pressão várias vezes sobre a suspa. Aparece uma linha da sujeira retida no interstício entre a bengala e o retentor, aí é só tacar o papel higiênico e remover esse resto!

As suspensões comuns, cujas bengalas são fabricadas em aço exposto, são bem mais propensas à oxidação, portanto, devem ser mentidas recobertas com uma finíssima camada de óleo lubrificante. Já as suspensões um pouco mais caras, com bengalas confeccionadas em material anodizado (alumínio), apesar da sua imunidade à ferrugem, deve…

Eixo da Suspensão RST First quebra

Autor:
Encontrei neste fórum* uma ocorrência preocupante que, infelizmente, vai além da simples coincidência. Vários usuários relatam que os eixo de 15 mm específicos da suspa RST First quebra, provocando ferimentos nos pilotos.

Na série do posts que versam sobre o assunto, os usuários dão conta de que o representante da RST no Brasil não se responsabiliza pela reposição de peças do modelo First, já que alegam que ele não é comercializado aqui. Ora, como as bicicletas KHS usam a tal suspensão RST First e são vendidas no nosso mercado, então a negação é uma incongruência!

Alguns proprietários apelam para a confecção numa tornearia do eixo, para que não percam um componente que custa mais de mil reais. O eixo da foto abaixo ficou com um belo acabamento e apresenta alta confiabilidade, já que é de aço (maior peso é o preço a ser pago).

* https://www.pedal.com.br/forum/suspensao-rst-f1rst-air_topic16543_page10.html

Primeiras impressões sobre a Specialized Epic Hardtail

Autor:
Devido à conformação extremamente acidentada do relevo da minha região, desde que me vi por gente no mundo do ciclismo, descobri que a minha modalidade só podia ser Mountain Bike e dentre dela, tinha que ser Cross Country, ou seja, uma bike muito ágil para as subidas, sem dar grande importância ao incremento de velocidade em descidas e planos.

A minha 1ª bike comecei comprando errado, devido à ignorância, pois saí da loja pilotando uma “flamejante” Caloi T-Type. Cerca de um mês depois e com a certeza de que ia acabar quebrando o quadro da T-Type, parti para a GT Zaskar Sport 27.5. Aí a veia do Cross Country começou a bombar!

Nos 6 meses em que pedalei com a Zaskar, houve muito aprendizado e algumas decepções, principalmente por conta de alguns componentes sofríveis que a GT destinou a um modelo de 5 mil reais, tipo, blocagens de qualidade inferior, cubos de esferas soltas bem ruinzinhos, cabos parcialmente desencapados (coisa que se pode admitir numa Caloi de supe…

Qual é a melhor posição do câmbio para se guardar a bicicleta?

Autor:

É bom seguir esta dica não apenas no dia a dia, mas principalmente na situação em que a magrela ficará meses sem uso. Veja a seguir a figura que o câmbio assume quando em posição de repouso:

A posição de repouso máximo das molas e cabos dos câmbios traseiro e dianteiro é a seguinte:
- corrente posicionada na engrenagem menor do câmbio traseiro;
- corrente posicionada na coroa menor do câmbio dianteiro.

Apesar de ser uma posição considerada atravessada, ela é a que força menos a transmissão quando a bicicleta está em repouso. Além disso, é a melhor configuração para se proceder a limpeza, manutenção ou retirada da roda traseira.