Pular para o conteúdo principal

Para quê serve o Bar End? (Além de se apaixonar!)

Autor:

Aos olhos do novato, parece ser apenas um tremendo trambolho, porém o seu uso gera viciados. Então,  resumidamente, listarei alguns motivos que justificam a adoção daqueles corninhos que aparentemente quebram a linha estética da bike.

1) Não tem jeito, o estilo reto de guidão da mountain bike, apesar de efetivo para aquilo que se propõe, é um pé no saco ergonomicamente falando. Logo, os Bar Ends suprem a falta de ergonomicidade ao aumentarem as possibilidades de posições de mãos.

2) O ângulo tradicional dos Bar Ends é quase paralelo ao chão, ligeiramente inclinado para cima. Isso facilita a posição da pedalada em pé. Agora, se você não costuma pedalar em pé, então pode testar outros ângulos. Neste caso, você pode usar o Bar End como um prolongamento do seu guidão reto.

3) O Bar End aumenta a sua força nas subidas, coisa de duas marchas. Este fator por si só justificaria a sua adoção.

4) Além de fazer às vezes de prolongador vertical do guidão, melhorar a alavanca no momento de aplicar energia aos pedais, os Bar Ends aumentam bastante o número de posições das mãos ao longo das pedaladas longas. É mais um recurso que podemos usar no combate às dormências e na prevenção às tendinites.

5) Os ciclistas de MTB que se permitem experimentar o Bar End se apaixonam e não conseguem mais pedalar sem o acessório, em face dos tremendos benefícios obtidos.

Para experimentar, só resta você escolher um modelo que se adeque tanto ao seu biótipo, quanto ao seu estilo de pedalar. No meu caso, optei pelas manoplas integradas ao Bar End da Ergon modelo GS3. O foto abaixo mostra os cornos bem para cima para dar conta do meu selim alto, posição adotada para facilitar a escalada dos paredões que compõem o relevo da minha região.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…