Pular para o conteúdo principal

Como escolher uma Mountain Bike em apenas 5 itens?

Autor:
O problema da compra da 1ª bicicleta é sempre a ignorância. O resultado é que você termina pagando muito por pouco, mesmo que seja por uma bike de magazine anunciada em oferta, paga em 12 vezes. Porque normalmente você descobre em um mês que fez a compra errada e te toca vender a novinha e comprar outra que realmente atende as suas necessidades.

Para evitar o troca-troca antecipado, alguns critérios devem ser observados até pelo leigo mais liso da paróquia! Digamos que você não more numa cidade amigavelmente plana, porque aí até uma bicicleta sem marcha nenhuma pode dar conta do recado, então vamos a uns poucos itens que devem ser observados.

1 - Quadro
O quadro é o que define tudo numa bike! Pessoas baixas ficam mais confortáveis em quadros 15, 16. Pessoas médias ficam boas com 17 e pessoas altas com 18 em diante. É recomendável que mulheres escolham um quadro feminino, muito mais confortável para a sua anatomia.

2 - Peso
Uma vez definido o quadro, é hora de escolher o tipo de material de que é feito. Aí os preços variam exponencialmente desde o aço carbono, passando pelo alumínio, até chegar aos levíssimos compostos de plástico. Naturalmente, é recomendável que uma MTB tenha o menor peso possível, mas tudo dependerá do poder de fogo do seu bolso. De qualquer forma, é melhor ter uma bicicleta pesada do que nenhuma.

3 - Aro
Só não cometa a parvoíce de entrar na onda do 29er se você tem baixa estatura, fica parecendo uma criança de 7 anos andando balouçante em cima da bicicleta do papai.

4 - Grupo
O grupo inclui componentes tais como trocadores de velocidades, câmbios traseiro e dianteiro, corrente, cassete, pedivela, manoplas, freios, etc. O importante é saber que o topo dos grupos para amadores é de 9 velocidades no cassete. No nível acima estão os grupos com 10 velocidades. Meu conselho é conversar bastante com o pessoal da bikeshop para definir um com boas relações que atendam às suas necessidades e que tenha somente 2 coroas. É uma tendência atual que simplificou as MTB, mas que exige um pouco mais de cuidado na hora da escolha do número de dentes das coroas e cassete, pois esta especificação define o perfil da MTB: estradeiro, trilheiro, asfalto, topografia amigável ou casca grossa, etc.

5 - Freios
O freio a disco hidráulico é o mais eficiente e seguro, mas se o relevo em que você vai se movimentar não é tão exigente, pode ser freio a disco mecânico. Para uso leve, dá para baratear o custo da bike optando pelos freios do tipo V-brake.

Certamente faltou falar de um monte de coisas, mas complicar demais a configuração só assusta o iniciante e o afasta do escopo buscado aqui, dele se apropriar dos critérios mínimos.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

Como regular o câmbio dianteiro Shimano?

Autor:

Desde que comprei a Mountain Bike há 2 meses venho enfrentando alguns probleminhas com a regulagem do freio dianteiro. São duas queixas: eventualmente a corrente caia fora e a corrente raspava em um dos limites. Primeiramente a coroa saltava fora na coroa menor. Depois de nova regulagem na loja, a corrente ficou mais instável na coroa maior.

Ora, se o câmbio dianteiro é o Shimano Deore FD-616, não deveria haver problemas, não é mesmo? Entretanto, mesmo depois da revisão dos 100 km os problemas persistiam.

Então resolvi por mim mesmo regular a coisa. Obviamente, a primeira intervenção não serviu para nada, pois mexi no parafuso mais alto, e na realidade só baguncei o limite da corrente na coroa pequena. Aí resolvi pesquisar pra valer na net! Logo me deparei com o vídeo abaixo que é perfeito para a regulagem de TODOS os câmbios dianteiros Shimano. É bom dar uma olhada nas explicações por escrito: How to Adjust Shimano Mechanical Road Front Derailleurs


O resumo da ó…