Pular para o conteúdo principal

Autonomia REAL de uma bateria de lítio 36V 10Ah com motor de 350W

Autor:
Os vendedores alardeiam facilmente autonomia de 40 Km. Isso só não é deslavada mentira, porque você pode realmente espichar a autonomia da sua bateria compensando bravamente com a força dos pedais.

Mas o que nos interessa é a coisa preto no branco, a verdadeira duração da bateria em condições normais de uso, digamos assim, em aclives bastante acentuados.

Neste site encontramos a seguinte fórmula para calcularmos a duração da bateria em quilômetros:
36v-10ah       motor:  350 W        velocidade:  25km/h             36 x 10 x 25 / 350 = 25,7 km

Essa fórmula já corta pela metade a autonomia anunciada pelas revendas de bikes elétricas. Só que tem um detalhe: a fórmula só funciona para valer no plano e em movimento contínuo. Ora, tal cálculo também é fantasioso, uma vez que as condições normais interpõem freadas, paradas, retomadas, etc.

Felizmente, apareceu um VENDEDOR HONESTO (isso existe!!!) que admite a VERDADEIRA duração da bateria de lítio em pauta. Nos comentários no Mercado Livre sobre a sua E-Bike anunciada, ele responde categoricamente a uma pergunta feita por um usuário: “A autonomia é de aproximadamente 15 km, pois para motor de 350 watts com bateria de 36 volts 10 Ah é esta autonomia, para todos as marcas de bicicletas, pois se apresentarem autonomia diferente com o mesmo watts e amperagem com a mesma configuração da bicicleta elétrica anunciada, não é real, pois tem uma tabela de autonomia que leva em consideração o peso da bicicleta e do condutor, potência do motor e amperagem/voltagem”.

Isso traduzido em miúdos, pode-se dizer que dá cerca de 1 hora de motor ligado.

Parece pouco? Até que não, se você levar em conta que uma bicicleta elétrica com motor abaixo de 1000 watts não pode ser tratada de jeito nenhum como uma scooter elétrica, em que o sujeito senta, liga e sai acelerando sem realizar esforço algum.

Logo, o quanto uma E-Bike andará com uma carga de bateria é diretamente proporcional à forma física do piloto. Isto quer dizer, que quanto mais o ciclista ajudar nos pedais, maior autonomia conseguirá, quem sabe, até os almejados 40 Km anunciados pelos vendedores e talvez até muito mais!

Para fazer render a bateria, há é claro vários pulos-do-gato, tais como jamais arrancar (tirar da inércia) a bicicleta no motor e sim no pedal. Esse e outros truques veremos nos próximos posts. Aguardem!

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…