Pular para o conteúdo principal

14 itens de Checklist obrigatórios e eventuais da bicicleta

Autor:
A vida de ciclista é puxada, mas é divertida! Temos que fazer manutenção na estrada, senão nos toca empurrar a nossa querida magrela por inúmeros kms. Portanto, temos que carregar as ferramentas, reparos e peças de reposição em campo, apesar do fato de que cada grama pesa na hora das subidas. Cada um de nós é praticamente obrigado a se tornar mais ou menos mecânico de bicicleta, porque, como uma bike é quase uma peça de relojoaria devido às muitas peças móveis e ajustes, só o dono consegue afinar ao seu gosto todo o conjunto.

Logo, uma bicicleta certamente exige cuidados permanentes, regulagens, verificações, para não perder a confiabilidade. Por isso, preparei um checklist que fazemos ou deveríamos fazer

1 - Folgas nos Raios – ao menos uma vez por mês é bom verificar a tensão de cada raio para saber se não há algum frouxo. Isso é bem como acontecer, devido à buraqueira das estradas, ou à rusticidade das trilhas.


2 - Alinhamento dos aros – visualmente é possível revisar se o aro está torto. Se você tem um alinhador em casa, tudo bem, senão, é melhor levar a magrela ao bicicletário.

3 - Calibragem dos pneus – pneus bastante cheios são bons para asfalto, mas ruins para buraqueiras e vice-versa. A pressão correta dos pneus depende do uso que você tem em mente, mas nunca abaixo do mínimo aceitável, nem além do máximo PSI especificado no corpo do pneu.

4 - Câmbio – tanto o traseiro, quanto o dianteiro devem ser uma preocupação constante do ciclista. Qualquer sinal de marcha arranhando significa câmbio desalinhado e/ou tensão do cabo desajustada. Corrente saltando fora do cassete ou das coroas, significa desajuste dos parafusos limitadores.
Como regular o câmbio dianteiro Shimano?

5 - Freios – a atenção constante aos freios é norma de segurança básica! Sempre é bom dar uma testada no início do pedal. Na chegada também é interessante dar uma inspecionada visual no sistema de freios.
Como eliminar ruídos do freio a disco
Uma amostra do que acontece quando ocorre uma falha completa num dos freios:


6 - Blocagem – é um procedimento recomendável testar eventualmente a pressão das alavancas de blocagem.
Os 10 mandamentos da Blocagem

7 - Sujeira no canote – na medida em que entra poeira  e barro no orifício da blocagem do canote, você começa a ouvir estalidos que se espalham pelo quadro. Por isso, é recomendável tirar o canote, limpar tanto o tubo, quanto a cavidade no quadro e lubrificar. Para minimizar este problema, alguns sujeitos envolvem a junção com uma borracha de proteção.
Como eliminar estalos no canote
Limpar e lubrificar o canote

8 - Quadro – é importantíssima uma verificação visual periódica no quadro em busca de alguma trinca ou rachadura. Diante de estalos estranhos, é recomendável primeiro descartar algum comprometimento no quadro.

9 - Folgas nas rodas, movimento central, caixa de direção – não custa de vez em quando checar as rodas e caixa de direção para ver se está tudo ok.

10 - Folga nos eixos dos pedais – um pedal que se solta abruptamente pode machucar, portanto, não custa nada dar uma verificada eventual na fixação.

11 - Estado dos conduítes/cabos – cabos em mau estado, enferrujados, frouxos, apertados demais ou sem lubrificação são causa certa de mau funcionamento do freio e câmbio.

12 - Limpeza da transmissão – importantíssimo limpar frequentemente a corrente, cassete e coroas. Não adianta o camarada tão somente jogar óleo em cima da sujeira!

13 - Lubrificação – há várias partes da bike que precisam ser lubrificadas, trocadores de marchas, cabeamento, corrente, etc. Logicamente, nas revisões na oficina a graxa dos cubos, movimento central e caixa de direção deve ser necessariamente verificada e/ou trocada.
O que é Lubrificação Seca e Úmida da corrente de bike?

14 - Check de corrente/cassete/coroas – obviamente, se são itens submetidos a contínuo atrito, seu nível de desgaste deve ser periodicamente checado.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

A história da instalação do Kit Elétrico numa bicicleta para baixinhos

Autor:
Sabidamente as mulheres têm mais dificuldade para exercer força de longa duração, apesar da sua incrível resistência muscular. Logo, numa cidade serrana cheia de aclives e declives, transpor as barreiras do relevo é fator impeditivo para as mulheres desfrutarem dos efeitos benéficos da bicicleta.

A história da minha esposa começa desse jeito, da impossibilidade de ter uma bike por causa das subidas intransponíveis. Até que soubemos dos kits elétricos e o mecanismo de ajuda à força dos pedais, sem que a coisa toda se transforme numa motinho elétrica.

A escolha da bicicleta foi o primeiro drama, pois a pouca altura da Gladis inviabilizava o aro 26”. Então, decidimos por uma de aro 24”, que tinha de ser necessariamente algo que se aparentasse com uma mountain bike, devido ao relevo desgraçado daqui. Vimos uma oferta tentadora nas Americanas de uma Caloi Wild 24 e encomendamos.

Começava assim a história através da escolha da bicicleta, propositalmente equipada com quad…