Pular para o conteúdo principal

Os 10 mandamentos da Blocagem

Autor:
Em junho deste ano comprei a minha MTB, fiz a revisão dos 100 Km e depois de um tempo da revisão, comei a notar uns estalidos que aparentemente vinham da suspensão dianteira. Levei na Bike Shop reclamando dos tais estalos e também de um comportamento estranho do freio a disco dianteiro, mas o cara não conseguiu ouvir os estalos. Lá pela 3ª andada ele finalmente detectou as pinças desalinhadas e reclamou bastante do fato de que tanto a blocagem dianteira, quanto a traseira não estavam apertadas suficientemente. Segundo ele estavam frouxas.

Com base nesta experiência, enumerei uma lista com dicas que DEVEM me nortear e também podem servir aos demais ciclistas de 1ª viagem, uma vez que se uma blocagem chega a se abrir numa descida animal ou escapa numa curva em alta velocidade, aí fica difícil de escapar do hospital.

1) Revisarás o aperto das blocagens dianteira e traseira antes de qualquer pedalada.  Depois da verificação, é aconselhável verificar se a roda está bem presa na casinha dando uns socos no pneu de cima para baixo.

2) Não farás gambiarra com blocagem! Trocarás a blocagem que afrouxa recorrentemente, pois é um sinal de que já não funciona mais, ou é de má qualidade.

3) A alavanca em posição fechada não pode ficar solta do quadro, “no ar”. Quando se anda em pelotão, a roda do companheiro de trás pode enganchar na blocagem e abri-la acidentalmente, além é claro de galhos que podem se enfiar no espaço entre a alavanca e o disco.

4) Procure deixar a alavanca na posição escondida junto a algum elemento do quadro, de preferência, com a ponta inclinada para trás, nunca para a frente. Isso se justifica porque galhos e outros obstáculos tendem a se prender em qualquer gancho voltado para frente.

5) A posição da alavanca deve ser escolhida de tal forma que haja espaço para você meter os dedos no momento de abrir a alavanca.

6) Verifique a posição “totalmente aberta” das alavancas de blocagens da sua bike para ver se elas abrem além de 180 graus. Se este for o caso, numa abertura acidental, a alavanca dianteira pode penetrar numa das cavidades do disco dianteiro e provocar o travamento da roda.
As blocagens  que abrem além de 180 graus foram objeto de recall por parte de várias fábricas que as utilizaram na montagem das suas bicicletas com freios a disco.

7) O aperto da alavanca deve ser realizado com a palma da mão. Aperto que se for feito só com os dedos, tem a tendência de ficar frouxo.

8) Não apertarás demasiadamente a alavanca, pois isso além de não aumentar a segurança, provoca o empenamento das roscas e pode até entortá-la.

9) Jamais se deve chegar a situação de precisar recorrer a ferramentas para apertar ou desapertar as blocagens.

10) Jamais gire a alavanca na posição “aberta” até apertar, pois dessa maneira  o sistema não travará e a roda se soltará a qualquer momento.

Postagens mais visitadas deste blog

Cubos com Rolamentos ou Esferas – qual é o melhor? Qual roda gira mais livre?

Autor:
A velha polêmica cessará algum dia? O certo é que as bikes mais sofisticadas (caras) vêm com os tais “sealed bearings” (rolamentos selados) e aquelas abaixo de 5k vêm equipadas com anéis de esferas alojados em cones (cup and cone hub). Então, aparentemente só há argumentos bons em relação aos rolamentos e merda em cima das esferas? Errado! O melhor então seria reformular a pergunta: qual é o melhor, um cubo com rolamentos mais ou menos ou um cubo de esferas/cone de alta qualidade?

Também é verdade que há por aí bikes meia boca com rolamentos chineses cujas rodas parece que giram com areia dentro.

Se é verdade é que as pessoas têm problemas nos dois mundos, então vamos colocar alguns argumentos que pesam do lado das rejeitadas esferas. Aliás, a minha GT Zaskar 27.5 Sport está na faixa de preço que não comporta rolamentos, mesmo assim as rodas giram com uma liberdade absurda! E ainda melhor, sem produzir ruído algum, digamos assim, o característico zunido dos rolame…

Galeria de selins sem nariz que salvam a vida sexual do(a) ciclista

Autor:
Os especialistas em saúde sexual masculina afirmam que os ciclistas se divide em 2 grupos: dos que estão impotentes sexuais e o dos que ficarão. E a explicação para essa tragédia é que os selins tradicionais jogam 25% do peso corporal sobre a região do períneo, onde ficam a próstata, a raiz do pênis, e artérias responsáveis pela irrigação do órgão sexual. Assim, uma atividade física, a princípio valiosíssima, pode vir a ser causa de problemas graves de saúde.

As mulheres também têm seus percalços, uma vez que sofrem dores devido à constante pressão exercida contra a sua genitália pelo bico dos selins tradicionais.

Homens com hipertrofia da próstata se encontram completamente alijados do ciclismo, se não buscarem soluções alternativas de assentos. Ciclistas que sofrem sensação de dormência depois de pedais longos devem abandonar inteiramente a concepção de que “ainda não se acostumaram” aos seus selins caros, bonitos e de marcas famosas. O corpo humano não foi feito…

Como regular o câmbio dianteiro Shimano?

Autor:

Desde que comprei a Mountain Bike há 2 meses venho enfrentando alguns probleminhas com a regulagem do freio dianteiro. São duas queixas: eventualmente a corrente caia fora e a corrente raspava em um dos limites. Primeiramente a coroa saltava fora na coroa menor. Depois de nova regulagem na loja, a corrente ficou mais instável na coroa maior.

Ora, se o câmbio dianteiro é o Shimano Deore FD-616, não deveria haver problemas, não é mesmo? Entretanto, mesmo depois da revisão dos 100 km os problemas persistiam.

Então resolvi por mim mesmo regular a coisa. Obviamente, a primeira intervenção não serviu para nada, pois mexi no parafuso mais alto, e na realidade só baguncei o limite da corrente na coroa pequena. Aí resolvi pesquisar pra valer na net! Logo me deparei com o vídeo abaixo que é perfeito para a regulagem de TODOS os câmbios dianteiros Shimano. É bom dar uma olhada nas explicações por escrito: How to Adjust Shimano Mechanical Road Front Derailleurs


O resumo da ó…